#vaidecorretor
somos apaixonados por mudança, mas uma coisa não muda:
corretoresconsultores
Queremos cocriar e trazer soluções inovadoras com o ponto de vista de quem mais conhece desse mercado: você
corretoresconsultores
benefíciosparavocê
Parceiros conectados para oferecer benefícios que ajudam você a fechar + negócios.
benefíciosparavocê
Soluções para tornar seu dia a dia ainda mais completo: pesquisas exclusivas, eventos, programas de relacionamento e muito mais!
conteúdosricos
conteúdosricos
Há mais de 20 anos estamos lado a lado com o mercado imobiliário. E, agora, não vai ser diferente. Mudamos. Evoluímos. E reforçamos: parceria empodera. 
Por isso, queremos promover, ainda mais, a valorização dos profissionais do mercado imobiliário. Juntos, vamos mais longe: investindo em tecnologia, inteligência e inovação, ferramentas, educação e benefícios, para trazer você, corretor, cada vez mais para o centro da nossa estratégia.
a importância do corretor.

Na edição anterior enfatizamos as múltiplas incertezas que configuram nosso contexto macro atualmente. De lá para cá, em grande medida, não ocorreram alterações substanciais no cenário global: a guerra na Ucrânia continua, o processo inflacionário permanece e as autoridades monetárias dos principais países iniciam ciclos de aperto. A ameaça de uma recessão global ganhou maior probabilidade nas últimas semanas e a pandemia não está plenamente controlada.

No Brasil, continuamos sofrendo bastante com inflação na casa dos dois dígitos (em 12 meses) em um processo que se espalha pelos produtos e serviços e começa a disparar reações com risco crescente de dinâmicas inerciais. O resultado é que ainda não conseguimos encerrar nosso ciclo de alta nas taxas de juros (provavelmente teremos mais um aumento de 0,5 ponto percentual em agosto) e é cada vez maior o consenso de que vamos ter que conviver com juros altos por um período prolongado. Além disso, nos aproximamos das eleições e turbulências políticas entraram de vez no radar dos analistas de mercado e investidores. A falta de informação sobre potenciais políticas econômicas dos candidatos que lideram as pesquisas de opinião também não tem ajudado.  

Para não dizer que não tivemos nada positivo no último mês, os números sobre a atividade econômica no país surpreenderam positivamente e as expectativas já chegam a um crescimento do PIB para 2022 em torno dos 2%. Lembramos que entramos no ano com uma perspectiva próxima de zero de crescimento (com alguns esperando até mesmo uma pequena contração). No entanto, os melhores indicadores no mercado de trabalho e no consumo não foram suficientes para compensar todas as dificuldades dentro e fora do país. No final das contas o que vimos foi forte depreciação do câmbio e quedas expressivas no mercado de ações. Típicos sinais de preocupação com o que pode vir pela frente.

E o mercado imobiliário? Após o forte crescimento em 2021 e um primeiro semestre que não decepcionou, já observamos um esfriamento em curso e temos razões para acreditar que como de costume não ficaremos imunes aos ventos frios da macroeconomia. Devemos esperar, portanto, um menor volume de transações nos próximos meses. O que é muito difícil dizer neste momento, dado o alto grau de incerteza, é qual será a duração e intensidade desta desaceleração. Por outro lado, ao longo dos próximos meses uma parte considerável da incerteza local tem grandes chances de ser reduzida. Uma vez concluído o processo eleitoral e com mais alguns meses de política monetária teremos muito mais informação sobre as perspectivas para o ano que vem.

O que fazer? Aqui enfatizamos a cartilha com a qual sempre orientamos nossos clientes. Em primeiro lugar é preciso ter calma e agir com cautela. Se uma das marcas de nosso setor é passar por ciclos, sabemos também que, por se tratar de um dos bens mais essenciais para as pessoas, contamos com robusta resiliência. Decisões são e devem ser tomadas olhando para o longo prazo. Agora, nos momentos de baixa, é ainda mais importante caprichar na chamada microeconomia!

O que isso significa? Essencialmente duas coisas: a primeira é investir no conhecimento do mercado. Oferta, demanda e preços variam enormemente nas localidades e nos tipos de produto. Além disso, a pandemia gerou (e está gerando) impactos nas preferências (e possibilidades) residenciais. Assim, é fundamental estar atento para essas informações no maior nível de detalhe possível para poder identificar oportunidades (e riscos).

Finalmente é necessário estar na fronteira das possibilidades profissionais: fazer pleno uso das melhores práticas em atendimento, mídia, contratos e alternativas financeiras, entre outras coisas. O setor imobiliário avançou muito ao longo da pandemia e tem muita inovação relevante para potencializar negócios à disposição.

Não temos muito o que fazer para alterar o contexto macro, mas é nossa missão primordial no ZAP+ apoiar nossos clientes com o que há de mais avançado para navegar com sucesso em qualquer ponto do ciclo econômico e, particularmente, em momentos extraordinários. Fica então meu convite para conhecerem e utilizarem o nosso ecossistema de soluções profissionais.

Em resumo: Ainda não conseguimos precisar o quão longo e gelado o inverno será, mas temos total certeza de que estaremos mais protegidos e aquecidos se fizermos essa travessia juntos.

Grande abraço e bons negócios,

Danilo Igliori

Para esquentar o inverno
Por Danilo Igliori 
VP Economista Chefe do ZAP+  

Danilo Igliori

mande sua mensagem.

Todos os direitos reservados

#vaidecorretor
Há mais de 20 anos estamos lado a lado com o mercado imobiliário. E, agora, não vai ser diferente. Mudamos. Evoluímos. E reforçamos: parceria empodera. 
Por isso, queremos promover, ainda mais, a valorização dos profissionais do mercado imobiliário. Juntos, vamos mais longe: investindo em tecnologia, inteligência e inovação, ferramentas, educação e benefícios, para trazer você, corretor, cada vez mais para o centro da nossa estratégia.